28 julho 2011

Caso clínico 2

fem, 65a, caucasiana

QD: Depois que a paciente pingou colírio para a pressão do olho a visão do olho esquerdo diminuiu e vem piorando.

AO:   OD: Cx Catarata 1998, Cx Glaucoma 1999, injeção no olho 1999, Cx buraco de mácula 1999
          OE: Cx Catarata 2010
          uso: Azopt AO
AP: ndn
AF: ndn

AV: 20/80 e 20/80


Bio: s alt AO

PIO: 15 e 17 (9:00)

Mapeamento de retina
Clique na imagem para ampliar

Olho direito
vítreo transparente;
papila levemente pálida, bordos nítidos, escavação aumentada
mácula com brilho alterado, presença de mobilização de pigmento com cicatriz circular em região foveal, buraco cicatrizado?
vasos com calibre e tortuosidade aumentados, mantém relação 2:3, ausência de cruzamentos patológicos;
retina aplicada 360, ausência de lesões predisponentes a descolamento de retina.

Olho esquerdo
vítreo transparente;
papila levemente pálida, bordos nítidos, escavação aumentada
mácula com brilho alterado, presença de mobilização de pigmento e aparente inicio de buraco macular.
vasos com calibre e tortuosidade aumentados, mantém relação 2:3, ausência de cruzamentos patológicos;
retina aplicada 360, ausência de lesões predisponentes a descolamento de retina.

HD: Buraco macular cicatrizado em olho direito e inicial em olho esquerdo

Comentários: Sugiro OCT de ambos os olhos para classificar o estágio do buraco segundo Gass.


OCT - Tomografia de Coerência Óptica

Clique na imagem para ampliar



Exame realizado com Tomógrafo Zeiss - Cirrus. Durante o exame houve boa colaboração e transparência de meios ópticos o que permitiu avaliar
adequadamente as áreas de importância.


Olho direito
Cavidade vítrea com ausência de estruturas refletivas.
Interface vítreo-retiniana alterada por doença retiniana.
Depressão foveal presente com assimetria.
Arquitetura das camadas retinianas está desorganizada em região peri e foveal com fibrose e atrofia.
Camada de fotorreceptores (linha IS-OS) presente.
Epitélio pigmentar retiniano e coriocapilar fisiológicos.


Espessura foveal (CFT - Central Foveal Thickness): 238µm


Olho esquerdo
Cavidade vítrea com ausência de estruturas refletivas.
Interface vítreo-retiniana sem alterações.
Depressão foveal presente, diminuída por descolamento subfoveal.
Arquitetura das camadas retinianas está alterada com presença de degeneração cística perifoveal e edema.
Camada de fotorreceptores (linha IS-OS) não visualizada em região subfoveal.
Epitélio pigmentar retiniano e coriocapilar fisiológicos.


Espessura foveal (CFT - Central Foveal Thickness): 337µm


Conclusão
Buraco Macular cicatrizado em olho direito
Buraco macular estagio 1A em olho esquerdo
Observação de olho esquerdo para avaliar regressão. Acompanhamento em  mês com OCT. Se houver progressão discutir vitrectomia com peeling de MLI (membrana limitante interna).


Após 30 dias

OCT - Tomografia de Coerência Óptica
com macular chance analysis



Indicado vitrectomia via pars plana associado a remoção de MLI.


Comentários
classificação do buraco macular segundo Gass


Cortesia de Dr. Ricardo Bernardes Filho

Aguarda cirurgia, novos dados serão mostrados aqui.

Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144
(18) 3222.6363

26 julho 2011

Evolução da microestrutura retiniana após cirurgia de buraco de mácula.

Como ocorre o fechamento do buraco macular após a vitrectomia.


Changes in the photoreceptor layer on the spectral-domain optical coherence tomographic (SD-OCT) images after macular hole (MH) surgery. (Left column) SD-OCT images in a 59-year-old woman. (Top left) Before surgery, OCT image shows a full-thickness MH. (Line 2 left) One month after surgery, OCT image shows a complete restoration of the ELM in contrast with a disrupted IS/OS junction at the fovea. (Line 3 left) Three months after surgery, OCT image shows a complete restoration of both the ELM and the IS/OS junction. (Bottom left) Six months after surgery, OCT image also shows a complete restoration of both the ELM and the IS/OS junction. (Right column) SD-OCT images in a 69-year-old man. (Top right) Before surgery, OCT image shows a full-thickness MH. (Line 2 right) One month after surgery, OCT image shows a complete restoration of the ELM in contrast with a disrupted IS/OS junction at the fovea. (Line 3 right) Three months after surgery, OCT image also shows a complete restoration of the ELM in contrast with a disrupted IS/OS junction. (Bottom right) Six months after surgery, OCT image shows a complete restoration of both the ELM and the IS/OS junction.

Artigo completo aqui.
Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363

24 julho 2011

Caso clínico

Masculino, 34a, caucasiano.

QD: BAV AO, principalmente OE há 1 mês.

AO: ndn
AP: Hematomas em MMII há 1 mês.
AF: ndn

AV: 20/50 e 20/600

Bio: ndn

PIO: 12 e 13 (9:00)

FO: imagens abaixo

clique na imagem para ampliar

Mapeamento de retina

Olho direito:
papila levemente pálida, bordos nítidos, escavação aumentada; atrofia peripapilar;
fundus com rarefação de EPR importante;
mácula com brilho preservado, depressão foveal aparentemente presente;
vasos com calibre e tortuosidade fisiológicos, mantém relação 2:3, ausência de cruzamentos patológicos; presença de hemorragias em borrão difusas por todo pólo posterior e fora das arcadas nos 4 quadrantes configurando Manchas de Roth;
retina aplicada até equador.

Olho esquerdo:
papila rósea, bordos nítidos, escavação 0,3x0,4, debrum respeita regra ISNT;
mácula com brilho apresenta coleção sanguínea sub hialóidea, depressão foveal não observada;
vasos com calibre e tortuosidade fisiológicos, mantém relação 2:3, ausência de cruzamentos patológicos; presença de hemorragias em borrão difusas por todo pólo posterior e fora das arcadas nos 4 quadrantes configurando Manchas de Roth;
retina aplicada até equador.


HD: Hemorragias retinianas difusas em ambos olhos - Manchas de Roth.

Comentários: Sugerido investigação para possível discrasia sanguínea devido a associação com quadro sistêmico. 

Após investigação sistêmica houve diagnóstico de Leucemia. Internado para terapia.

Cortesia Dra. Clarissa M. Odloak

Retina
Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP
Av. Washington Luiz, 1144

(18) 3222.6363

20 julho 2011

Changes in area of capillary nonperfusion after intravitreal injection of Bevacizumab in eyes with BRVO.

Avastin intra-vítreo poderia aumentar a área de não perfusão capilar em retinas já isquemicas?



Retina. 2011 Mar 29. [Epub ahead of print]

CHANGES IN AREA OF CAPILLARY NONPERFUSION AFTER INTRAVITREAL INJECTION OF BEVACIZUMAB IN EYES WITH BRANCH RETINAL VEIN OCCLUSION.

Source

From the *Department of Ophthalmology, Nagoya University Graduate School of Medicine, Nagoya, Japan; and †Miyake Eye Hospital, Nagoya, Japan.

Abstract

PURPOSE:

To study the effect of an intravitreal bevacizumab (IVB) on the retinal ischemia in eyes with a branch retinal vein occlusion.

METHODS:

Fluorescein angiography was performed before and 1 month after the IVB (1.25 mg/0.05 mL) in 58 consecutive eyes of 58 patients with macular edema secondary to a branch retinal vein occlusion. The area of capillary nonperfusion was measured on an early-phase fluorescein angiography image by an area measurement program, and the area was expressed relative to the optic disk area (DA). A blockage of the fluorescence by the retinal hemorrhage was distinguished from nonperfusion by comparisons with retinal photographs.

RESULTS:

Thirty-seven of 58 eyes did not have any capillary nonperfusion before the IVB, and capillary nonperfusion developed in 3 of these 37 eyes 1 month after the IVB. The area of nonperfusion in these 3 eyes was 0.13, 0.47, and 0.60 DA. Twenty-one of the 58 eyes had capillary nonperfusion before the IVB, and the mean (±SD) area of nonperfusion was 3.45 ± 4.66 DA before the IVB and 3.45 ± 5.19 DA 1 month after the IVB. This change was not significant (P = 0.36). An increase in the area of capillary nonperfusion of >1.0 DA after the IVB was seen in only 1 of all 58 eyes.

CONCLUSION:

These results suggest that the incidence of a significant increase in the area of capillary nonperfusion (>1 DA) during the 1 month after the IVB is very low in eyes with branch retinal vein occlusion.



Tradução por Google translation
Resumo
OBJETIVO: Para estudar o efeito de uma bevacizumab intravítrea (IVB) sobre a isquemia da retina em olhos com um ramo de oclusão da veia da retina. MÉTODOS: Angiofluoresceinografia foi realizada antes e um mês após o IVB (1,25 mg/0.05 mL) em 58 olhos de 58 pacientes consecutivos com edema macular secundário a oclusão da veia da retina ramo. A área de nonperfusion capilar foi medida em uma fase precoce imagem angiografia com fluoresceína por um programa de medição da área, ea área foi expressa em relação à área de disco óptico (DA).Um bloqueio da fluorescência pela hemorragia retiniana foi distinguido nonperfusion por comparações com fotografias da retina. RESULTADOS: Trinta e sete dos 58 olhos não tem qualquer nonperfusion capilar antes do IVB, e nonperfusion capilar desenvolvido em três desses 37 olhos um mês após o IVB. A área de nonperfusion nestes três olhos foi de 0,13, 0,47, 0,60 e DA.Vinte e um dos 58 olhos tinham nonperfusion capilar antes do IVB, ea média (± DP) da área de nonperfusion foi de 3,45 ± 4,66 DA antes do IVB e 3,45 ± 5,19 DA 1 mês após o IVB. Esta mudança não foi significativa (P = 0,36). Um aumento na área de nonperfusion capilar de> 1,0 DA após o IVB foi observada em apenas 1 de todos os 58 olhos. CONCLUSÃO: Estes resultados sugerem que a incidência de um aumento significativo na área de nonperfusion capilar (> 1 DA) durante o mês 1 após o IVB é muito baixo em olhos com ramo de oclusão da veia da retina.
Artigo completo aqui.

Dr. Marcelo Hosoume 

Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363 www.oftalmolaser.med.br Avastin preço Avastin oftalmologia Avastin SUS Avastin Anvisa

13 julho 2011

O que é Mapeamento de Retina?

O exame de mapeamento de retina é o exame básico do médico oftalmologista para avaliar a retina.

Para realizar o exame é necessário dilatar a pupila. Com um "capacete de luz" e uma lente especial é possível visualizar o fundo do olho, onde a retina está localizada.


Este exame deve ser realizado pelo menos uma vez ao ano. Em pacientes com miopia e diabetes possui grande importância.

A imagem que o médico vê em pacientes normais é esta:








OftalmoLaser. Esforço contínuo à excelência em tudo que é feito.
Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363 Oftalmologista Oftalmologo Oftalmo

BEAT ROP Trial: Bevacizumab (Avastin) vs Laser in ROP

BEAT ROP trial compares the effect of anti-VEGF drug Bevacizumab (Avastin) vs Laser in ROP. The full form of BEAT is Bevacizumab Eliminates the Angiogenic Threat of Retinopathy of Prematurity (BEAT-ROP).

This is a prospective, controlled, randomized, stratified, multicenter trial to assess intravitreal bevacizumab monotherapy for zone I or zone II posterior stage 3 with plus disease retinopathy of prematurity. Infants were randomly assigned to receive intravitreal bevacizumab (0.625 mg in 0.025 ml of solution) or conventional laser therapy, bilaterally. The primary ocular outcome was recurrence of retinopathy of prematurity in one or both eyes requiring retreatment before 54 weeks’ postmenstrual age.

They concluded that Intravitreal bevacizumab monotherapy, as compared with conventional laser therapy, in infants with stage 3+ retinopathy of prematurity showed a significant benefit for zone I but not zone II disease. Development of peripheral retinal vessels continued after treatment with intravitreal bevacizumab, but conventional laser therapy led to permanent destruction of the peripheral retina.

But the trial was too small to assess safety and the safety issues regarding Avastin in ROP still persist.



Tradução por Google Translate:

O estudo BEAT ROP compara o efeito de drogas anti-VEGF Bevacizumab (Avastin) vs Laser no ROP. A forma completa de Beat é Bevacizumab elimina a ameaçaAngiogênicas de Retinopatia da Prematuridade (ROP BEAT-).

Este é um estudo prospectivo, controlado, randomizado, multicêntrico,estratificado, para avaliar a monoterapia com bevacizumab intravítreo para a zona I ou II estágio zona posterior 3 com retinopatia da prematuridadeplus doenças. Os bebês foram aleatoriamente designados para receber bevacizumab intravítrea(0,625 mg em 0,025 ml de solução) ou terapia com laser convencional,bilateralmente. O resultado primário foi ocular recorrência de retinopatia da prematuridade em um ou ambos os olhos exigindo retratamento antes de idade de 54 semanas de pós-menstrual.

Eles concluíram que a monoterapia com bevacizumab intravítrea, em comparaçãocom a terapia a laser convencional, em crianças com estágio 3 + retinopatia da prematuridade mostrou um benefício significativo para a zona I, mas não a doençazona II. Desenvolvimento de vasos da retina periférica continuou após o tratamento com bevacizumab intravítrea, mas a terapia laser convencional levou àdestruição permanente da retina periférica.

Mas o estudo foi muito pequeno para avaliar a segurança e as questões de segurança relativas Avastin no ROP ainda persistem.

Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363 www.oftalmolaser.med.br Avastin preço Avastin oftalmologia Avastin SUS Avastin Anvisa

12 julho 2011

Posição de cabeça após cirurgia retiniana

Após realizar a cirurgia de vitrectomia (fig 1) as semanas seguintes são essenciais para a boa recuperação visual.

A cirurgia de vitrectomia pode ser indicada para descolamento de retina, membrana epi retiniana, buraco macular entre outros.


Durante a cirurgia é inserido dentro do globo ocular óleo de silicone ou gás C3F8.

O óleo ou gás é mais leve do que água e portanto “bóia” (fig 2).


O local principal da visão fica no fundo do olho, neste local que o gás ou óleo deve ficar em contato.

Para que isso ocorra é necessário realizar a posição de cabeça.

    · Sempre fique olhando para baixo: nuca para cima, nariz apontando para baixo. É uma posição incômoda mas muito importante para recuperação visual.

  


Dr. Marcelo Hosoume 
Retina - UNIFESP
Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP
Av. Washington Luiz, 1104

(18) 3222.6363