18 fevereiro 2011

Estudo SCORE CRVO

Triancinolona melhor que observação em edema secundário a OVCR (Oclusão Veia Central Retiniana).


Arch Ophthalmol.
 2009 Sep;127(9):1101-14.

A randomized trial comparing the efficacy and safety of intravitreal triamcinolone with observation to treat vision loss associated with macular edema secondary to central retinal vein occlusion: the Standard Care vs Corticosteroid for Retinal Vein Occlusion (SCORE) study report 5.

 

Abstract

OBJECTIVE: To compare the efficacy and safety of 1-mg and 4-mg doses of preservative-free intravitreal triamcinolone with observation for eyes with vision loss associated with macular edema secondary to perfused central retinal vein occlusion (CRVO).
METHODS: Multicenter, randomized, clinical trial of 271 participants.
MAIN OUTCOME MEASURE: Gain in visual acuity letter score of 15 or more from baseline to month 12.
RESULTS: Seven percent, 27%, and 26% of participants achieved the primary outcome in the observation, 1-mg, and 4-mg groups, respectively. The odds of achieving the primary outcome were 5.0 times greater in the 1-mg group than the observation group (odds ratio [OR], 5.0; 95% confidence interval [CI], 1.8-14.1; P = .001) and 5.0 times greater in 4-mg group than the observation group (OR, 5.0; 95% CI, 1.8-14.4; P = .001); there was no difference identified between the 1-mg and 4-mg groups (OR, 1.0; 95% CI, 0.5-2.1; P = .97). The rates of elevated intraocular pressure and cataract were similar for the observation and 1-mg groups, but higher in the 4-mg group.
CONCLUSIONS: Intravitreal triamcinolone is superior to observation for treating vision loss associated with macular edema secondary to CRVO in patients who have characteristics similar to those in the SCORE-CRVO trial. The 1-mg dose has a safety profile superior to that of the 4-mg dose. Application to Clinical Practice Intravitreal triamcinolone in a 1-mg dose, following the retreatment criteria applied in the SCORE Study, should be considered for up to 1 year, and possibly 2 years, for patients with characteristics similar to those in the SCORE-CRVO trial. Trial Registration clinicaltrials.gov Identifier: NCT00105027.



Acuidade visual
fonte: Paper



fonte: Medscape
Tradução by Google translate

Resumo
OBJETIVO: comparar a eficácia ea segurança de doses de 1 mg e 4 mg de conservante livre de triancinolona intravítrea com a observação para os olhos com perda de visão associada com o edema macular secundário à oclusão da veia central da retina perfundidos (CRVO).
MÉTODOS: Estudo Multicêntrico, randomizado, clínicas de 271 participantes.
MEDIDA PRINCIPAL DO RESULTADO: O ganho de acuidade visual carta pontuação de 15 ou mais desde o início até 12 meses.
RESULTADOS: Sete por cento, 27% e 26% dos participantes obtiveram o resultado primário do estudo, 1 mg e 4 mg grupos, respectivamente. As chances de alcançar o resultado primário foi de 5,0 vezes maior no grupo 1 mg do que o grupo de observação (, 5,0 odds ratio [OR], 95% intervalo de confiança [IC], 1,8-14,1; P = 0,001) e 5,0 vezes maior no grupo de 4 mg do que o grupo de observação (OR, 5,0; 95% IC, 1,8-14,4; P = 0,001), não houve diferença identificada entre o 1 mg e grupos de 4 mg (OR, 1,0; 95 % IC, 0,5-2,1, P = 0,97). As taxas de pressão intra-ocular elevada e catarata foram similares para os grupos de observação e de 1 mg, mas superior no grupo de 4 mg.
CONCLUSÕES: A injeção intravítrea de triancinolona é superior ao de observação para tratar a perda de visão associada com o edema macular secundário à CRVO em pacientes que tenham características semelhantes às do julgamento SCORE CRVO. A dose de 1 mg tem um perfil de segurança superior ao da dose de 4 mg.Aplicação para a Prática Clínica triancinolona intravítrea na dose de 1 mg, seguindo os critérios de retratamento aplicada no Estudo de SCORE, deve ser considerada para até um ano e, possivelmente, dois anos, para pacientes com características semelhantes às do julgamento SCORE CRVO.



Artigo completo aqui.


14 fevereiro 2011

O que é Membrana epi-retiniana?

Ocorre a membrana epi-retiniana quando na superfície da retina há a proliferação de células formando uma membrana.


Esta patologia, quando avançada, causa embaçamento e distorção da visão. 

O exame de OCT é bastante útil para avaliar este problema.


Um teste que pode ser realizado em casa é a Tela de Amsler. Neste podemos avaliar a dificuldade de visão e se há piora progressiva.

O tratamento indicado em casos avançados é a cirurgia de vitrectomia.

Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144
(18) 3222.6363

Prospective study of intravitreal triamcinolone acetonide versus bevacizumab for macular edema secondary to central retinal vein occlusion.

Ding X, Li J, Hu X, Yu S, Pan J, Tang S.

From the State Key Laboratory of Ophthalmology, Zhongshan Ophthalmic Center, Sun Yat-sen University, Guangzhou, China.

Retina. 2011 Feb 2. [Epub ahead of print]

Abstract

PURPOSE: To compare the efficacy and safety of intravitreal triamcinolone acetonide (IVT) versus intravitreal bevacizumab (IVB) for the treatment of macular edema (ME) secondary to central retinal vein occlusion.
METHODS: Prospective, consecutive, clinical interventional study. A total of 31 consecutive patients (32 eyes) with ME associated with central retinal vein occlusion were randomized to 2 groups. Sixteen eyes were treated with intravitreal injection of 4 mg/0.1 mL preservative-free triamcinolone acetonide; 16 eyes received IVB 1.25 mg/0.05 mL. Patients were given additional injections if they had ME as determined by optical coherence tomography 3 months after the first treatment or visual acuity loss of at least 2 lines in Snellen chart. Best-corrected visual acuity, slit-lamp biomicroscopy, intraocular pressure, fundus fluorescein angiography, optical coherence tomography, the number of required injections, and adverse events were recorded during the 9-month follow-up period.
RESULTS: Best-corrected visual acuity was significantly improved at 2 weeks and 1, 3, 6, and 9 months after injection in both the IVT and IVB groups, but no statistical difference was found between the 2 treatment groups during the 9-month follow-up period. The mean central macular thickness decreased at 1, 3, 6, and 9 months after injection within each treatment group, and no statistical difference was found between the 2 treatment groups at any time during the follow-up period (P > 0.05). Patients who received IVT treatment appeared to have quicker visual recovery and improved central macular thickness at Week 2 compared with those who received IVB treatment. Five of 16 eyes in the IVT group and 12 of 16 eyes in the IVB group required a repeated injection because of recurrent ME or unresolved intraretinal or subretinal fluid. The mean number of treatment was 1.31 ± 0.48 in the IVT group, as compared with 2.38 ± 1.04 in the IVB group. Significant intraocular pressure increase was found only in the IVT group, and six patients received topical intraocular pressure lowering medication, and one patient required trabeculectomy. Premacular membranes were developed in 2 patients in the IVT group.
CONCLUSION: This is a prospective interventional study evaluating the efficacy and safety outcomes of IVT and IVB treatment for ME secondary to central retinal vein occlusion. Both IVT and IVB treatments can effectively improve best-corrected visual acuity and reduce central macular thickness in patients with ME secondary to central retinal vein occlusion without systemic side effects; no statistical differences were found in either best-corrected visual acuity or mean central macular thickness measurement between the two treatment groups. Both the effect of triamcinolone acetonide and that of bevacizumab were not permanent, and less injections were performed in the IVT group. However, triamcinolone acetonide causes more adverse events than bevacizumab.



Tradução by Google translation


Estudo prospectivo de triancinolona intravítrea versus bevacizumab para o edema macular secundário à oclusão da veia central da retina (OVCR).
OBJETIVO: comparar a eficácia e segurança de triancinolona intravítrea (IVT) versus bevacizumab (IVB) para o tratamento do edema macular (ME) secundário à oclusão da veia central da retina.
MÉTODOS: Estudo prospectivo, consecutivo, estudo clínico de intervenção. Um total de 31 pacientes consecutivos (32 olhos) com ME associada a oclusão da veia central da retina foram randomizados para 2 grupos. Dezesseis olhos foram tratados com injeção intravítrea de 4 mg / 0,1 acetonido sem conservantes ml de triancinolona, 16 olhos receberam IVB mg/0.05 1,25 mL. Os pacientes receberam injeções adicionais, se eles me como determinado pela tomografia de coerência óptica três meses após o primeiro tratamento ou da perda da acuidade visual de pelo menos 2 linhas na tabela de Snellen. Melhor acuidade visual corrigida, biomicroscopia de lâmpada de fenda, pressão intra-ocular, angiofluoresceinografia, a tomografia de coerência óptica, o número de injeções necessárias, e os eventos adversos foram registrados durante os 9 meses de seguimento.
RESULTADOS: Melhor acuidade visual corrigida melhorou significativamente menos 2 semanas e 1, 3, 6 e 9 meses após a injeção em ambos os IVT e grupos IVB, mas não foi encontrada diferença estatística entre os dois grupos de tratamento durante os 9 meses de seguimento -up período. A média da espessura central macular diminuiu em 1, 3, 6 e 9 meses após a injeção, dentro de cada grupo de tratamento, e não foi encontrada diferença estatística entre os dois grupos de tratamento a qualquer momento durante o período de seguimento (P> 0,05). Os pacientes que receberam tratamento IVT parecia ter uma recuperação mais rápida visual e espessura macular central melhorada na Semana 2, em comparação com aqueles que receberam tratamento IVB. Cinco dos 16 olhos do grupo FPI e 12 de 16 olhos do grupo IVB necessária uma injeção repetida por ME ou recorrente fluido intra ou sub-retiniana por resolver. O número médio de tratamento foi de 1,31 ± 0,48 no grupo FPI, em comparação com 2,38 ± 1,04 no grupo IVB. Significativo aumento da pressão intra-ocular foi encontrada apenas no grupo FPI, e seis pacientes receberam pressão intra-ocular tópica que abaixa a medicamentação, e um paciente necessitou de trabeculectomia. membranas premacular foram desenvolvidos em dois pacientes no grupo IVT.
CONCLUSÃO: Este é um estudo prospectivo intervencionista avaliar os resultados de eficácia e segurança do IVT e tratamento IVB para ME secundária à oclusão da veia central da retina. Ambos IVT e tratamentos IVB podem efetivamente melhorar a melhor acuidade visual corrigida e reduzir a espessura macular central em pacientes com EM secundária à oclusão da veia central da retina, sem efeitos colaterais sistêmicos, não foram encontradas diferenças estatísticas em nenhum melhor acuidade visual corrigida ou média da espessura macular central medida entre os dois grupos de tratamento. Tanto o efeito de triancinolona e de bevacizumab não eram permanentes, e menos injeções foram realizadas no grupo IVT. No entanto, triancinolona causas mais eventos adversos do que o bevacizumab.




O que é OCT?

Tomografia de coerência óptica ou OCT é um exame que permite ver as camadas da retina.



Podemos imaginar o olho como uma bola oca. Nas paredes internas, no fundo do olho, há uma estrutura que se chama Retina. Este tecido é composto por neurônios que captam as imagens e levam para o cérebro. Mais sobre a anatomia do olho aqui.



Um método de examinar a retina é o mapeamento de retina. Nele vemos a superfície da retina, como na foto abaixo, a retina é "vista de frente".


Alguns problemas não podem ser avaliados somente pelo exame de mapeamento de retina.

OCT ou Tomografia de coerência óptica é um exame que nos fornece imagens da espessura retiniana ou mostra a retina "de lado".

Este exame é realizado com imagens de alta definição (HD) que assemelha-se a cortes histológicos da retina ou seja uma biópsia da retina in-vivo.







Veja mais:
OftalmoLaser. Esforço contínuo à excelência em tudo que é feito.
Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363 Oftalmologista Oftalmologo Oftalmowww.oftalmolaser.med.br Exame OCT OCT oftalmologia OCT preço

Is Indocyanine Green Angiography Still Relevant?

Excelente editorial publicado no Retina deste mês.

Indocyanine green angiography (ICGA) was introduced in the 1970s for imaging the choroidal circulation because the dye was known for its safety and because of its particular optical properties, that is, absorption of the near-infrared light, which may penetrate normal ocular pigments (for review of the basic properties of indocyanine green (ICG), and historical contributions to ICGA, see Flower et al1). Indocyanine green angiography had many technical limitations because of the use of high-speed infrared black and white films and xenon flash lamps. The technique was about to be abandoned, when in the 1990s, it was simplified by the development of digital angiography, better filters, better optical alignment, synchronized flash, high-contrast video monitors, and cameras that were very sensitive to near-infrared light. At that time, various studies6–13 showed that ICGA allowed the visualization of occult choroidal neo- vascularization (CNV), the most frequent type of CNV complicating age-related macular degeneration (AMD). The ability of ICGA to locate occult CNV accurately, especially inside pigment epithelial detachments (PEDs),13,14 inaugurated a new era, in which an increasing number of CNV cases became eligible for laser photocoagulation, the only CNV treatment available at that time. Furthermore, the widespread use of ICGA allowed the description of a new method of imaging many chorioretinal diseases, and in many cases, this method improved the results of treatment. Technique of ICGA also improved with the use of scanning laser ophthalmoscopy (SLO). Indeed, interpretation of ICGA differs greatly among conventional fundus cameras and SLOs. Because of the lack of literature comparing the two techniques, the advantages and drawbacks of the two methods will not be discussed in the present review. However, in our opinion, it is necessary to know which technique has been used to obtain ICGA pictures to avoid any misdiagnosis.




Texto completo aqui.


Tradução by Google Translation:

Angiografia por indocianina verde (ICGA) foi introduzido na década de 1970 para a imagem latente a circulação coroidal porque a tintura era conhecida por sua segurança e devido as suas propriedades ópticas, isto é, a absorção da luz infravermelha, que podem penetrar normal pigmentos ocular (para revisão das propriedades básicas da indocianina verde (ICG), e as contribuições históricas de AIV, consulte Flor et al1). Angiografia por indocianina verde tinha muitas limitações técnicas devido à utilização de alta velocidade infravermelho filmes preto e branco e lâmpadas de flash xenon. A técnica estava prestes a ser abandonado, quando na década de 1990, foi simplificado pelo desenvolvimento de angiografia digital, filtros melhor, melhor alinhamento óptico, flash sincronizado, monitores de vídeo de alto contraste, e câmeras que eram muito sensíveis à luz infravermelha .Naquela época, vários estudos mostrou que ICGA permitiu a visualização de ocultismo neovascularização de coróide (CNV), o tipo mais freqüente de CNV complicando relacionadas com a idade degeneração macular (DMRI). A capacidade de AIV para localizar com precisão NVC oculta, especialmente dentro descolamento do epitélio pigmento (PEDs), inaugurou uma nova era, na qual um número crescente de casos CNV tornaram-se elegíveis para a fotocoagulação a laser, o tratamento CNV somente disponível na época. Além disso, o uso generalizado de ICGA permitiu a descrição de um novo método de imagens muitas doenças coriorretinianas, e em muitos casos, esse método melhorou os resultados do tratamento. Técnica de ICGA também melhorou com o uso do oftalmoscópio de varredura a laser (SLO). Com efeito, a interpretação da ICGA difere muito entre as câmeras convencionais fundo e SLOs. Devido à falta de literatura comparando as duas técnicas, as vantagens e desvantagens dos dois métodos não serão discutidas na presente revisão. No entanto, em nossa opinião, é necessário saber qual a técnica tem sido utilizada para obter imagens ICGA para evitar erros de diagnóstico.


O que são Moscas Volantes?



Dentro do olho há o gel vítreo que é totalmente transparente quando nascemos. Na imagem abaixo vitreous.




Moscas Volantes ou Floaters, em inglês, ocorre quando pequenas opacidades aparecem no vítreo. Estas opacidades são decorrentes do processo de envelhecimento do vítreo. Ou, tecnicamente falando, ocorre um rearranjo molecular das macromoléculas hyalluran e colágeno.




As moscas volantes são um problema comum na população. Mas também são um sinal de alerta para o Descolamento de Retina. Quando você notar estas alterações deve procurar seu oftalmologista para realizar o exame de mapeamento de retina.

Estudo publicado no Journal of American Medical Association, no final de 2009 constatou que a presença repentina de moscas volantes e flashes no olho significa que uma em cada sete pessoas com esses sintomas têm um rasgo ou descolamento de retina.

O tratamento para eliminar estas opacidades do vítreo pode ser realizado com Yag Laser.



A vitrectomia via pars plana é um procedimento cirúrgico que deve ser reservado para casos onde há opacidades que atrapalhem os hábitos diários do paciente.

Mais informações Wikipedia.


Posts relacionados


OftalmoLaser. Esforço contínuo à excelência em tudo que é feito.
Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1104 (18) 3222.6363 moscas volantes tratamento moscas volantes cura mosca volante causas

GLOBAL PERSPECTIVES: Verteporfin Photodynamic Therapy for AMD in the Anti-VEGF Era

There is still a role for PDT in exudative maculopathy, especially for polypoidal choroidal vasculopathy.


It is hard to imagine that a mere decade ago a satisfactory treatment did not exist for subfoveal choroidal neovascularization (CNV) secondary to age-related macular degeneration (AMD). The best retina specialists could do was to perform thermal laser photocoagulation to ablate these lesions.1 The rapid decline in vision following treatment made this approach unpopular among patients and physicians. When verteporfin photodynamic therapy (PDT) was introduced in 2000, it was hailed as a revolutionary therapy that significantly improved visual outcome, reducing the proportion of patients experiencing moderate visual loss by approximately 20%. The treatment benefit was most significant in predominantly classic lesions compared with minimally classic or nonclassic lesions,2-6 which meant that approximately 30% of patients with wet AMD were eligible for PDT.
Excelente artigo sobre a utilidade do PDT nos tempos atuais.


Texto completo clique aqui.


Tradução by Google translation:

Perspectivas Globais: Terapia fotodinâmica com verteporfina para a DMRI na era anti-VEGF.

É difícil imaginar que há apenas uma década um tratamento satisfatório não existia para neovascularização de coróide (CNV) secundária a degeneração macular relacionada idade (DMRI). Os especialistas em retina melhor que podia fazer era realizar fotocoagulação com laser térmico para retirar esses lesões. O rápido declínio da visão após o tratamento fez esta abordagem impopular entre pacientes e médicos. Quando a terapia fotodinâmica com verteporfina (PDT) foi introduzido em 2000, ele foi saudado como uma terapia revolucionária que melhorou significativamente o resultado visual, reduzindo a proporção de doentes com perda visual moderada por aproximadamente 20%. O benefício do tratamento foi mais significativa nas lesões predominantemente clássicas comparado com as lesões minimamente clássica ou nonclassic, que significa que aproximadamente 30% dos pacientes com AMD úmida eram elegíveis para o PDT.




05 fevereiro 2011

Complexo multivitamínico para DMRI (Degeneração Macular Relacionada a Idade)


A DMRI é uma doença grave. O tratamento em suas fases intermediárias consiste em vitaminas ingeridas diariamente.


O maior estudo nesta forma de tratamento chama-se AREDS.


Ingerindo esta quantidade de vitaminas:

(clique na imagem para ampliar)


O paciente, na média, seria beneficiado deste modo: 


Linha verde = sem medicação
Linha rosa = com medicação

Conclusão
Em 7 anos a chance de ter perda visual grave cai de 38% para 31%. Não é o tratamento ideal, mas é o melhor que a medicina consegue nos oferecer nos dias atuais.

Medicamentos disponíveis no Brasil:

Ocuvite Preservision




Legenda do gráfico:

Repeated-measures estimates of the probability of a loss in the visual acuity score of at least 15 letters in at least 1 study eye of participants in age-related macular degeneration (AMD) Categories 3 and 4 by treatment group. The study eye is an eye without disqualifying lesions or evidence of advanced AMD and with a visual acuity score greater than 73 letters (20/32 or better) at baseline.

Tradução by Google translation
Medidas repetidas estimativas da probabilidade de uma perda na acuidade visual de pelo menos 15 letras em pelo menos um dos olhos dos participantes no estudo relacionadas com a idade degeneração macular (DMRI) Categorias 3 e 4 por grupo de tratamento. O olho estudo é um olho sem desqualificar lesões ou evidência de DMRI avançada e com uma acuidade visual superior a 73 letras (20/32 ou melhor) na linha de base.


01 fevereiro 2011

Tela de Amsler


Este teste é útil para quantificar a dificuldade de visão das doenças que acometem a mácula, que fica no centro da retina.

(clique na imagem para ampliar)

Como usar a Tela de Amsler

1)   Se você usa óculos, coloque-o.
2)   Olhe para a tela com um olho de cada vez, tapando o outro com a mão.
3)   Foque o ponto negro no centro. Tenha certeza do foco.
4)   Continue a olhar o ponto negro e assegure que a tela esteja centrada (todos os quadrados estão do mesmo tamanho).
5)   Se você notar alguma diferença nas linhas, imprima uma tela de Amsler e desenhe como você a vê.
6)   Leve ao seu médico oftalmologista especialista em retina.


Exemplos de anormalidades:





Exemplos de como você verá tendo este problema:

 





OftalmoLaser. Esforço contínuo à excelência em tudo que é feito.
Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363 Oftalmologista Oftalmologo Oftalmo