26 dezembro 2011

Descolamento do vítreo

Descolamento do vítreo ou Descolamento do Vítreo Posterior (DVP) ocorre quando a gelatina transparente que fica dentro do globo ocular se solta da retina (para entender a anatomia do olho clique aqui).


Isso pode ocorrer pelo envelhecimento normal ou algum trauma ocular. O sintoma mais comum são flashes de luz na visão. A visão de pequenas manchas pode ocorrer, isso chama-se moscas volantes



Estes sintomas também pode estar relacionado com o temível Descolamento de Retina. Por isso quando você notar este sintoma deve procurar seu oftalmologista rapidamente. Será realizado o exame de triagem retiniana que é o mapeamento de retina.

Se houver alguma área de fragilidade na periferia retiniana, estas lesões devem ser tratadas com laser retiniano o mais rápido possível.

Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Pres Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363 www.oftalmolaser.med.br

17 novembro 2011

Caso Clínico 5

Descolamento de retina seroso associado a neurite.

Paciente jovem, 18a, feminina queixa-se de mancha preta na visão do olho esquerdo há 2 dias.



Descolamento de retina seroso associado a neurite.

TAGS caso clínico, clinical case, descolamento de retina, oftalmologia, ophthalmology, retina, retinal detachment, toxoplasmose, toxoplasmosis

DESCRIPTION Caso clínico Retina/Oftalmologia Descolamento de retina seroso associado a neurite. Hipótese diagnóstica: Toxoplasmose ou Jensen



Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363 www.oftalmolaser.med.br

09 novembro 2011

Como o iPad pode ajudar pessoas com dificuldades de visão?

iPad, um dos fantásticos produtos da Apple, pode ser uma ferramenta para ajuda na comunicação e visão em pacientes portadores de patologias oculares.

A capacidade de aumentar as imagens e textos com facilidade neste dispositivo auxilia estas pessoas com dificuldades visuais.

Com este aparelho estas pessoas podem interagir com textos e imagens que não seriam capazes de enxergar. O iPad pode ser uma fonte de informações acessível para este público.

A facilidade de uso do aparelho torna possível o aparelho ser utilizado por crianças e idosos.





Relato de um usuário portador de dificuldade visual:


O IPAD é amigo de pessoas com baixa visão.
Minha esposa tem baixa visão. Legalmente cega, de fato. Para ela, a leitura de um livro requer uma série de fatores para alinhar. Primeiro, a fonte tem que ser grande o suficiente, 20pt é aceitável, 24 26pt é o preferido. Segundo, a fonte tem que estar em negrito o suficiente. Em terceiro lugar, o contraste das palavras para o papel tem que ser bastante elevado. Velhos livros usados ​​com papel escurecimento são difíceis para ela. Quarto, a iluminação tem que ser apenas direita. O sol brilhante é melhor, embora uma lâmpada branca brilhante ajudará. No entanto muito sol clareia as palavras.

Assim, supondo que os fatores ambientais estão alinhados, então há a questão de quais livros para ler. A chamada "grande impressão" seção de qualquer livraria é mais uma piada. "Print Large" muitas vezes significa 14-16pt fonte. Além disso, a seleção é infima e é principalmente voltado para os idosos: romances, Jackie Collins, e mistérios assassinato. Não clássicos. Nenhuma obra importante da literatura. Nenhuma poesia.

Não receio em dizer que minha esposa não tenha sido um leitor voraz, apesar de suas melhores intenções.

Ela tentou um Kindle, mas não é suficiente. A maior fonte não é suficientemente grande, o suficiente negrito, nem é o contraste alto o suficiente para ela fazer qualquer leitura prolongada. O Kindle é ótimo para a plena visão, mas não bom para aqueles com baixa visão.

Tente o iPad. No fim de semana passado, minha esposa teve acesso a um iPad emprestado. Eu tive que tirar de suas mãos esta manhã, para devolvê-lo.

O programa iBook a auxilia mutio. A maior fonte é enorme (32pt pelo menos). O contraste e o brilho podem ser totalmente ajustados a luz ambiante assim como quando seus olhos estão cansados. Nos últimos dois dias e meio a minha mulher leu cerca de um terço de Huckleberry Finn sem queixas de fadiga ocular. Isso é mais do que ela já leu no 12 anos eu a conheço.

Finalmente, o iPad tem a capacidade de zoom de tela cheia que a Apple coloca em seus Macs. Isso significa que o iPad é uma grande plataforma para pessoas com baixa visão para navegar na web, verificar e-mail, e assistir vídeos no YouTube. Tudo isso combinado com um fator de forma conveniente significa a minha mulher pode (em suas próprias palavras) "finalmente sentar-se debaixo de uma árvore e ler um livro como qualquer outra pessoa."

Com seu aniversário e Dia das Mães está chegando em breve, você pode adivinhar que presente estou preparando para ela.

Fonte: http://www.cis.gvsu.edu/~adams/mac/the-ipad-is-friendly-to-those-with-low-vision




Sites interessantes

Aplicativos para magnificação e suporte visual
http://www.spectronicsinoz.com/article/iphone-ipad-apps-for-magnification-and-vision-support

Site da Apple Brasil
http://www.apple.com/br/ipad/

iPad auxilia crianças com dificuldades visuais
http://www.rcuv.org/ipad-help-children-with-impaired-vision.html

iPad e idosos com degeneração macular
http://tech.kateva.org/2010/06/ipad-for-low-vision-elderly.html

Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Pres. Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363 www.oftalmolaser.med.br

14 outubro 2011

Vitrectomia 20G sem sutura?

Técnica de vitrectomia 20 G segura e eficaz em cirurgia vítreo-retiniana.

Utilizar vitrectomia vinte gauge transconjuntival sem sutura em cirurgia vítreo-retinianas é um tratamento seguro e eficaz para uma variedade de patologias vítreo-retinianas, de acordo com um estudo apresentado no jornal Retina.

O estudo retrospectivo conduzido pelo Dr. Oriel Spierer do Departamento de Oftalmologia, Tel Aviv Sourasky Medical Center, Sackler Faculty of Medicine, Israel, revisou os prontuários de 102 pacientes consecutivos que foram submetidos a vitrectomia transconjuntival sem sutura de 20 gauge realizada por um único cirurgião.

Todos os pacientes foram avaliados no pré-operatório, 1 dia, 1 mês e 3 meses pós-operatório. Os principais resultados incluídos foram pressão intra-ocularintra-operatória / pós-operatória e acuidade visual Snellen em comparação comdados pré-operatórios.

Os resultados revelaram que dois pacientes necessitaram de sutura de uma esclerotomia devido ao vazamento pós-operatório. A acuidade visual média pré-operatória foi de 1,1 ± 0,6. Três meses pós-operatório a acuidade visual média foi de 0,8 ± 0,5.

A média da pressão intra-ocular pré-operatória foi de 14,7 ± 5,1 mmHg, enquanto no pós-operatório foi 14,2 ± 5,5 mmHg e 14,6 ± 4,3 mmHg no dia 1 e dia 7, respectivamente.

Em três pacientes hipotonia foi encontrado no primeiro dia pós-operatório, mas a pressão intra-ocular retornou ao normal dentro de uma semana. Não houve registro de descolamento da retina ou endoftalmite pós-operatória em nenhum dos pacientes.



Clique na imagem para ampliar
Artigo completo aqui.

Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363 www.oftalmolaser.med.br Vitrectomia posterior Vitrectomia o que é vitrectomia retinopexia cirurgia vitrectomia  vitrectomia pars plana


24 setembro 2011

Caso Clínico 4

Edema macular imenso

Clinical Case
Huge macular edema







Angiofluoresceinografia retiniana mostra grande área de hiperfluorescência na região macular.

OCT de mácula apresenta retina extremamente espessada.



HD: Edema macular Cistóide pós FACO (Irvine Gass)



Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363 www.oftalmolaser.med.br

20 setembro 2011

O que é Buraco de Mácula?

No fundo do olho está a retina. A mácula é a área central de alta definição no olho.


Por forças tracionais na superfície retiniana pode ocorrer o buraco na mácula.

O exame de OCT (Tomografia de Coerência Óptica) é o mais indicado para avaliar e acompanhar esta patologia.

OCT em paciente com buraco macular


As pessoas que possuem este problema enxergam o mundo com um círculo preto no centro da visão.

Simulação da visão por quem tem buraco de mácula
O tratamento indicado normalmente é a vitrectomia via pars plana associada peeling de membrana limitante interna.

Mais informações
Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363 www.oftalmolaser.med.br

15 setembro 2011

Qual a importância da linha da camada de fotorreceptores no OCT?

O estado da camada de fotorreceptores (linha IS/OS) está intimamente relacionado com a melhora visual após o tratamento na DMRI (Degeneração Macular Relacionada à Idade).





clique na imagem para ampliar



Retina. 2011 Sep;31(8):1627-36.

Association between foveal microstructure and visual outcome in age-related macular degeneration.

Source

From the Department of Ophthalmology, Konkuk University Medical Center, Konkuk University School of Medicine, Seoul, Republic of Korea.

Abstract

PURPOSE:

: To investigate the correlation between foveal photoreceptor integrity and final visual acuity after treatment of eyes with neovascular age-related maculardegeneration, and to determine the visual prognostic factors.

METHODS:

: We retrospectively studied 40 eyes of 40 patients with neovascular age-related macular degeneration who were treated successfully with intravitreal anti-vascular endothelial growth factor injection. Using spectral-domain optical coherence tomography, the eyes were categorized into three groups at the final visit, the V group with a completely visible photoreceptor inner and outer segment junction (IS/OS), the P group with a partially detected IS/OS, and the I group with an invisible IS/OS. The length of disrupted IS/OS and external limiting membrane, central macular thickness, and choroidal neovascularization size at the initial and final visits were measured. Retinal pigment epithelium regularity and outer nuclear layer thickness at the final visit were also evaluated.

RESULTS:

: Final visual acuity was closely associated with IS/OS integrity at the final visit. Final visual acuity (logarithm of minimum angle of resolution) in the V group (0.13 ± 0.10) was better than that in the P group (0.41 ± 0.31), and final visual acuity in the P group was better than that in the I group (0.97 ± 0.51) (P < 0.001). Shorter disrupted IS/OS and external limiting membrane length at the final visit were closely associated with better final visual acuity. Preservation of the IS/OS and external limiting membrane, thinner central macular thickness, and shorter choroidal neovascularization height before treatment were associated with intact photoreceptor integrity after resolution of exudation. However, central macular thickness, outer nuclear layer thickness, and retinal pigment epithelium regularity at the final visit had no significant correlation with photoreceptor integrity.

CONCLUSION:

Foveal photoreceptor integrity was closely associated with final visual acuity in neovascular age-related macular degeneration after treatment. Initial visual acuity, IS/OS and external limiting membrane integrity, central macular thickness, and choroidal neovascularization height were correlated with final photoreceptor integrity, and they would be visual prognostic factors after resolution of exudation.


Artigo completo aqui.


Tradução por Google Translate:Associação entre microestrutura foveal e resultados visuais em degeneração macular relacionada à idade. 
Shin HJ, Chung H, Kim HC.
Do Departamento de Oftalmologia, Konkuk University Medical Center, Konkuk University School of Medicine, Seoul, República da Coreia.
Resumo 

OBJETIVO: Investigar a correlação entre a integridade dos fotorreceptores foveais e acuidade visual final após o tratamento em olhos com degeneração macular relacionada à idade neovascular e para determinar os fatores prognósticos visuais. MÉTODOS: Foram estudados, retrospectivamente 40 olhos de 40 pacientes com degeneração macular relacionada à idade neovascular, que foram tratados com sucesso com injeção intravítrea de anti-fator de crescimento endotelial vascular (anti-VEGF, Avastin, Lucentis). Utilizando tomografia de coerência óptica de domínio spectral, os olhos foram categorizados em três grupos na visita final, o grupo V com camada de fotorreceptor completamente visível junção segmento interno e externo (IS / OS), o grupo P com uma detectado parcialmente IS / OS, e o grupo I, com uma invisível IS / OS. O comprimento do interrompidas IS / OS e membrana limitante externa, espessura macular central, e tamanho neovascularização de coróide em as visitas inicial e final foram medidos. Regularidade do epitélio pigmentar da retina ea espessura da camada externa nuclear na visita final também foram avaliadas. RESULTADOS: A acuidade visual final foi intimamente associada é a integridade OS / na visita final. Acuidade visual final (logaritmo do mínimo ângulo de resolução) no grupo V (0,13 ± 0,10) foi melhor do que no grupo P (0,41 ± 0,31), e acuidade visual final no grupo P foi melhor do que no grupo I (0,97 ± 0,51) (P <0,001).Mais curto interrompido IS / OS e comprimento membrana externa limitar na visita final estavam intimamente associados com melhor acuidade visual final.Preservação da IS / OS e membrana limitante externa, espessura mais fina macular central, e altura menor neovascularização coróide antes do tratamento foram associadas com integridade fotorreceptoras intacta após a resolução da exsudação. No entanto, a espessura macular central, espessura da camada nuclear externa, e regularidade do epitélio pigmentar da retina na visita final não teve correlação significativa com integridade fotorreceptoras. CONCLUSÃO: Integridade de fotorreceptor foveal estava intimamente associada com a acuidade visual final na degeneração macular relacionada à idade neovascular após o tratamento. Acuidade visual inicial, IS / OS e integridade da membrana externa limitação, a espessura macular central, e altura neovascularização coroidal foram correlacionados com integridade fotorreceptoras final, e eles seriam visuais fatores prognósticos após a resolução da exsudação.

Artigo completo aqui.


Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363 www.oftalmolaser.med.br

Diferença entre o OCT spectral domain (Cirrus) e time domain (Stratus).

Principais diferenças entre os dois modelos de OCT (Tomografia de coerência óptica).

                                                   Cirrus                                            Stratus


   
clique nas imagens para ampliar


Ano de lançamento                       2010                                                1994

Tecnologia                         Spectral domain (SD)                       Time domain (TD)

Qualidade de imagem        HD (high definition)                           baixa definição

Visualização 3D                             sim                                                não

Glaucoma                                    confiável                                    não confiável
acompanhamento

Acompanhamento        
de patologias                               confiável                                   pouco confiável  
retinianas

Programação cirúrgica            informações podem                         informações não devem
                                                    ser utilizadas                              ser utilizadas para cirurgia


Esta nova geração de OCTs melhorou a definição das imagens.

Cirrus HD-OCT proporciona informações morfológicas mais precisas quando comparado com o Stratus TD-OCT.

Isto proporciona maiores detalhes e um diagnóstico mais preciso.


Para entender melhor a diferença entre estes aparelhos assista a este vídeo frânces:

 
Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363 www.oftalmolaser.med.br Exame OCT OCT oftalmologia OCT preço

05 setembro 2011

Injeções intra-vítreas em olhos já submetidos a vitrectomia

O que ocorre com a farmacodinâmica das injeções intravítreas (Lucentis, Avastin ou Triancinolona) em olhos que foram submetidos a vitrectomia com óleo de silicone?

Is Avastin effective when you have silicon in the eye?






Dr. Falavarjani:

Houve uma rápida difusão do bevacizumab para fora do óleo de silicone, como evidenciado pela resposta clínica dramática em nossos pacientes. Muitos cirurgiões de retiniana injetam bevacizumab intravítreo no final de vitrectomia para PDR (Retinopatia Diabética Proliferativa). Nossos resultados indicam que ela também pode ser injetado no fim da cirurgia para os casos graves, onde tamponamento com óleo de silicone é usado, isso pode ajudar a induzir a regressão de os restantes dos neovasos, bem como servir como um agente anti-inflamatórios.

Injetamos 2,5 mg de bevacizumab para o óleo de silicone, em vez de a dose mais comumente utilizada de 1,25 mg. A dose de 2,5 mg tem sido utilizado por vários pesquisadores para o tratamento de neovascularização de coróide (CNV) e edema macular diabético (EMD) e foi encontrado a mesma eficácia ou superior em comparação com a dose de 1,25 mg sem efeitos colaterais significativos. Além disso, não estávamos certos sobre a eficácia da injeção de bevacizumab no interior do óleo de silicone, e, portanto, achamos que poderíamos ter mais moléculas de bevacizumab atingindo a periferia da retina com esta dose mais elevada. É bastante provável que a dose de 1,25 mg regulares podem ter a mesma eficácia na regressão NVI (NeoVasos de Íris).

Outro ponto a ser considerado é que bevacizumab, que difunde para fora do óleo de silicone, pode acumular-se no menisco inferior do fluido por baixo óleo de silicone pela gravidade. Nós não podemos especular sobre a concentração de bevacizumab neste menisco líquido, mas não observamos qualquer sinal de toxicidade clínica nestes pacientes. Concentrações de até 5 mg na cavidade vítrea não foram associados com sinais histológicos ou eletrorretinográfico de toxicidade em olhos de coelhos. Nosso grupo tem estudado os efeitos de altas doses de injeções intravítreas de bevacizumab em olhos de coelhos e não observamos qualquer sinal de toxicidade após injeções até 7,5 mg (Modarres et al., dados não publicados).




Eye (Lond). 2010 Apr;24(4):717-9.
Therapeutic effect of bevacizumab injected into the silicone oil in eyes with neovascular glaucoma after vitrectomy for advanced diabetic retinopathy.
Source
Department of Ophthalmology, Iran University of Medical Sciences, Tehran, Iran. drghasemi@yahoo.com
Abstract
PURPOSE:
To evaluate the effect of intra-silicone injection of bevacizumab for the treatment of neovascular glaucoma (NVG) after vitrectomy for advanced proliferative diabetic retinopathy.
METHODS:
Bevacizumab was injected into the silicone oil in five pseudophakic eyes of five patients with NVG. The iris neovascularization (INV) and NVG had developed 1.5-4 months after vitrectomy and silicone oil tamponade. The main outcome measures were regression of INV, intraocular pressure and visual acuity.
RESULTS:
In all eyes, INV regressed and intraocular pressure was controlled within 7 days. Visual acuity improved in all eyes. In one patient, INV and NVG recurred 10 weeks after the injection and was successfully treated with a repeat intra-silicone bevacizumab injection.
CONCLUSION:
Intra-silicone injection of bevacizumab is effective in the treatment of patients with INV and NVG after vitrectomy for advanced proliferative diabetic retinopathy.



CLINICAL EXPERIENCE AND RESULTS IN VITRECTOMIZED, AIR-FILLED, OR SILICONE OIL EYES VITRECTOMIZED EYES
Carsten H. Meyer, MD, Tim U. Krohne, MD, FEBO, Peter Charbel Issa, MD, FEBO, and Frank G. Holz, MD

There is only limited experience using VEGF inhibitors in vitrectomized eyes due to the exclusion of those eyes from all phase II/III studies. Intravitreal-applied crystalline TA may have a longer effect compared to dissolved drugs, while the concentration of solute bevacizumab seems to decrease more rapidly, leaving only a minor effect at the retina. Intravitreal injections of solute VEGF inhibitors in vitrectomized eyes are therefore currently not recommended.

Silicone oil tamponade
   The clinical management of CMV retinitis and associated retinal detachment often involves the concurrent use of silicone oil and ganciclovir (GCV) implants. Perkins et al. investigated the effect of oil tamponade on intravitreal drug levels achieved with a 5-mg GCV implant in rabbits.30 Vitreous GCV levels at days 21 and 42 were similar in both the saline- and silicone oil-filled eyes. At day 70, GCV levels were significantly lower in the saline-filled eyes than in silicone-filled eyes. GCV levels may remain for longer in eyes with silicone oil tamponade, supporting the use of combined application.
   Silicone oil is also an efficacious delivery system for acetylsalicylic acid in rabbits, extending the duration of the drug in the vitreous cavity.
   A combined 5-FU silicone oil intravitreal tamponade was sustained after a conventional three-port lens-sparing pars plana vitrectomy in porcine eyes in a concentration above 1 μg/ml for 5 days. The pharmacokinetics followed a specific release rate constant of 10.7 μg/cm2.

Gas tamponade
   Intravitreal gas bubbles (0.3 ml) in nonvitrectomized eyes may induce a subclinical breakdown of the BRB soon after the gas is absorbed. The effect of intraocular gas tamponade, e.g., perfluoropropane (0.4 ml of 100% C3F8), on intravitreal drug levels was studied for sustained-release fluocinolone (FL)/5-FU 10-mg codrug pellet in white rabbits. On postoperative days 4, 7, 21, and 42, there were no statistically significant differences between FL and 5-FU drug levels in eyes containing C3F8 as compared with control eyes. Therefore, despite an apparent breakdown of the BRB, intraocular gas tamponade seems to have no significant effect on the intravitreal half-life of these drugs. It is therefore suggested that the concentration of intravitreally applied drugs needs no alteration in the presence of intraocular gas.

Referências
1) http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19407842
2) Retinal Pharmacotheraphy.

Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363 www.oftalmolaser.med.br Avastin preço Avastin oftalmologia Avastin SUS Avastin Anvisa Vitrectomia posterior Vitrectomia o que é vitrectomia retinopexia cirurgia vitrectomia  vitrectomia pars plana

25 agosto 2011

Laser ainda possui um papel em doenças retinianas vasculares ou neovasculares?

Publicado este mês no American Journal of Ophthalmology.

Assunto polêmico, ainda sem dados científicos amplamente comprovados.

Laser ainda possui um papel em doenças retinianas vasculares ou neovasculares? 








Abstract

PURPOSE: To discuss the current role of laser therapies in the management of retinal vascular and neovascular diseases.
DESIGN: Perspective.
METHODS: Laser’s role in the management of diabetic retinopathy, age-related macular degeneration, and venous occlusive disease is discussed, with emphasis on comparing laser with anti–vascular endothelial growth factor (VEGF) therapy and discussion of situations where these treatment methods can be complementary.
RESULTS: Thermal panretinal photocoagulation remains the usual practice for treatment of neovascularization in proliferative diabetic retinopathy and after venous occlusive events. Focal/grid laser still has a role for patients with macular edema resulting from diabetes or venous occlusion that is poorly responsive to anti-VEGF agents and in patients who are unable or unwilling to return for frequent injections. Focal/grid laser also is used as combination therapy with anti-VEGF agents for these indications. Focal laser can be used for extrafoveal choroidal neovascularization to avoid the treatment burden and risks of multiple injections. Photodynamic therapy may be beneficial in the treatment of central serous chorioretinopathy and idiopathic polypoidal choroidal vasculopathy and as combination therapy with anti-VEGF agents in age-related macular degeneration.
CONCLUSIONS: Anti-VEGF agents are effective in preventing vision loss and improving vision in multiple diseases, including diabetic retinopathy, neovascular agerelated macular degeneration, and retinal vein occlusions. Despite a substantial decrease in its use for these conditions in recent years, laser therapies continue to serve important roles in our ability to combat retinal pathologic features and will remain a pivotal component of our practices for at least the next several years. (Am J Ophthalmol 2011;152:332–339. © 2011 by Elsevier Inc. All rights reserved.)

Artigo completo aqui.

11 agosto 2011

Caso clínico 3

Pontos Brancos


Caso Clínico
View more presentations from Marcelo Hosoume








Hipótese Diagnóstica
•Acute inflammatory idiopathic vitteliform maculopathy?
•Doença de Best?
•Parasita?
Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363

10 agosto 2011

Blood Vessels in the Retina May Reveal Alzheimer's Disease


In providing an early diagnosis of Alzheimer's disease (AD), the eyes may have it.
Preliminary findings from a study that looked at retinal vascular parameters as a biomarker for AD indicate that there is a relation between those parameters and neocortical plaque load, an early harbinger of AD.
Although most AD-related pathologies occur in the brain, the disease has been reported to affect the eye, which is more accessible for imaging than the brain, according to Shaun Frost, MSc, a PhD candidate at the Commonwealth Scientific and Industrial Research Organization's Australian e-Health Research Center, in Perth, Australia.
Shaun Frost
The researchers presented their findings here at the Alzheimer's Association International Conference 2011.
Retinal Photographs
"Today, there is no single method for detecting Alzheimer's until the disease is well advanced," he said. Current positron emission tomography (PET) and magnetic resonance imaging scans can detect some brain changes, but can be expensive and technically challenging, so are impractical for testing in large populations.
The retina is positioned close to the brain, and the tissues of the retina are very representative of the tissues in the brain, Mr. Frost told a press conference. "Our study has observed changes in the retina in Alzheimer's disease that might help us to detect the disease much earlier," he noted.
In this small pilot study, Mr. Frost and his team examined retinal photographs of 13 people with AD, an equal number of individuals with mild cognitive impairment, and 110 healthy participants from the Australian Imaging, Biomarker and Lifestyle (AIBL) Flagship Study of Ageing.
Retinal photographs were collected and analyzed using semiautomated software to examine a variety of parameters, including the width of retinal vessels. The researchers calculated the central retinal arterial and venular equivalent thickness and arteriolar-venular ratio (AVR) for each participant. All had amyloid plaque burden measured using PET Pittsburgh compound B (PiB) imaging as part of the AIBL study protocol.
They found the AVR was higher in patients with AD (P = .001) and that veins were thinner (P =.01). "Now that we've separated the healthy controls into those who test positive and those who test negative for elevated plaque burden, you see a difference in the retina between those groups," Mr. Frost explained. The latter patients are considered to have preclinical AD.
"In summary, these findings indicate a relationship between Alzheimer's disease, changes in the retina, and plaque burden in the brain," Mr. Frost said. "The trends are in people with very early stages of Alzheimer's disease, indicating that they are a specific and early indication of Alzheimer's disease."
The test would not likely be used alone, but rather in conjunction with blood biomarkers, he noted.
The study is ongoing and continues to accrue participants, he told Medscape Medical News. Research is looking at other changes in the eye that might relate to AD, including supranuclear cataracts and other molecular changes.
Inexpensive Exam, Promising Tool
Maria Carrillo, PhD, senior director of medical and scientific affairs at the Alzheimer's Association, in Chicago, Illinois, told Medscape Medical News that this study indicates a potential for changes in the vasculature of the eye early in AD.
"An eye test is a very inexpensive exam and is a tool that eye doctors already have. This study shows that it is a very promising tool for early detection," Dr. Carrillo said.
Press conference moderator William E. Klunk, MD, from the Western Psychiatric Institute and Clinic at the University of Pittsburgh, Pennsylvania, pointed out that the test is completely noninvasive, and "correlates very well with the pathology in the brain, although not completely." Despite not correlating as well as the PET scans they were compared with, the retinal scans are cheaper, more widely available, and don't require radiation, he said.
"If you look at the spread of the data, it looked like about half the people who had pathology in their brain showed up positive on this test. So right away, you can pick half of the people in the population who perhaps one day should be getting a PET scan or a lumbar puncture."
More data are needed though. All of the subjects with mild cognitive impairment in this study had Alzheimer's pathology, he noted. He'd like to see future studies include control subjects with mild cognitive impairment, some of whom have and some of whom do not have AD pathology, "because that'll be the first group that we're trying to separate before we get to cognitively normal people.

Tradução por Google translations
Na prestação de um diagnóstico precoce da doença de Alzheimer (AD), os olhos podem tê-lo. Resultados preliminares de um estudo que analisou os parâmetros da retina vascular como um biomarcador para AD indicam que existe uma relação entre estes parâmetros e carga de placa neocortical, um prenúncio precoce do AD. Embora a maioria dos AD-relacionados patologias ocorrem no cérebro, a doença tem sido relatada a afetar o olho, que é mais acessível para a imagem que o cérebro, de acordo com Shaun Frost, MSc, doutorando na Comunidade Científica e Organização Industrial Research da Austrália e-Saúde Centro de Pesquisa, em Perth, Austrália. Shaun geada. Os pesquisadores apresentaram suas conclusões aqui na Associação de Alzheimer Conferência Internacional 2011. Fotografias da retina.
"Hoje, não existe um método único para detectar mal de Alzheimer até que a doença está bastante avançada", disse ele. Atual por emissão de pósitrons (PET) e ressonância magnética pode detectar algumas mudanças no cérebro, mas pode ser caro e tecnicamente desafiador, por isso são impraticáveis ​​para testes em grandes populações. A retina é posicionada perto do cérebro, e os tecidos da retina são muito representativas dos tecidos do cérebro, Sr. Frost disse uma conferência de imprensa. "Nosso estudo observou alterações na retina na doença de Alzheimer, que pode nos ajudar a detectar a doença muito mais cedo", observou. Neste pequeno estudo piloto, o Sr. Frost e sua equipe examinaram fotografias da retina, de 13 de pessoas com AD, um número igual de indivíduos com transtorno cognitivo leve, e 110 participantes saudáveis ​​do Australian imagem Biomarker e Estilo de Vida (AIBL) Estudo do Envelhecimento Flagship . Fotografias da retina foram coletados e analisados ​​utilizando software semi-automático para examinar uma variedade de parâmetros, incluindo a largura dos vasos da retina. Os pesquisadores calcularam o centro de espessura arterial e venular da retina equivalente e arteriolar-venular ratio (AVR) para cada participante. Todos tiveram carga da placa amilóide medida usando PET composto Pittsburgh B (PIB) de imagens como parte do protocolo do estudo AIBL. Eles descobriram que o AVR foi maior nos pacientes com AD (P = 0,001) e que as veias eram mais finas (P =. 01). "Agora que já separou os controles saudáveis ​​para aqueles que teste positivo e aqueles com teste negativo para a elevada carga da placa, você vê uma diferença na retina entre os grupos," Frost explicou. Os pacientes últimos são considerados como tendo AD pré-clínicos. "Em resumo, estes resultados indicam uma relação entre a doença de Alzheimer, alterações na retina, e carga da placa no cérebro," Mr. Frost disse. "As tendências são em pessoas com estágios iniciais da doença de Alzheimer, o que indica que eles são uma indicação específica e precoce da doença de Alzheimer." O teste provavelmente não seria usado sozinho, mas sim em conjunto com os biomarcadores de sangue, observou ele. O estudo está em curso e continua a acumular os participantes, ele disse ao Medscape Medical News. Pesquisa é olhar para outras mudanças no olho que pode se relacionar a AD, incluindo catarata supranuclear e outras alterações moleculares. Exame barato, ferramenta promissora. Maria Carrillo, PhD, diretor sênior de assuntos médicos e científicos na Associação de Alzheimer, em Chicago, Illinois, disse Medscape Medical notícias que este estudo indica um potencial de mudanças na vasculatura do olho no início da AD. "Um teste de olho é um exame muito barato e é uma ferramenta que os oftalmologistas já tem. Este estudo mostra que é uma ferramenta muito promissora para a detecção precoce", disse Dr. Carrillo. Conferência de imprensa moderador William E. Klunk, MD, do Instituto de Psiquiatria Ocidental e Clínica da Universidade de Pittsburgh, Pensilvânia, apontou que o teste é completamente não invasivo, e "se correlaciona muito bem com a patologia no cérebro, embora não completamente. " Apesar de não correlacionando, assim como o PET scan foram comparados com os exames de retina são mais baratos, mais amplamente disponível, e não necessitam de radiação, disse ele. "Se você olhar para a propagação dos dados, parecia que cerca de metade das pessoas que tinham patologia em seu cérebro mostrou-se positiva neste teste. Então, imediatamente, você pode escolher metade das pessoas na população que talvez um dia deve estar recebendo um PET scan ou uma punção lombar. " São necessários mais dados embora. Todos os indivíduos com comprometimento cognitivo leve neste estudo tinham patologia de Alzheimer, observou ele. Ele gostaria de ver estudos futuros incluem controles com transtorno cognitivo leve, alguns dos quais têm e alguns dos quais não têm patologia ", porque isso vai ser o primeiro grupo que estamos tentando separar antes de chegarmos a pessoas cognitivamente normal.


fonte: http://www.medscape.com/viewarticle/746489 

08 agosto 2011

O que é fotopsia ou flash de luz nos olhos?

Clarões na visão que ocorrem mesmo com os olhos fechados são chamados de fotopsias ou flashes.



Esses achados são um sinal importante que pode indicar a ocorrência de descolamento de retina.

Estes flashes ocorrem quando há tração nos neurônios retinianos, acarretando a descarga elétrica neuronal.

Se observar estes sinais você deve procurar um oftalmologista para realizar o exame de mapeamento de retina.






Posts relacionados

OftalmoLaser. Esforço contínuo à excelência em tudo que é feito.
Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144 (18) 3222.6363 Oftalmologista Oftalmologo Oftalmo

07 agosto 2011

Oclusão de Ramo Venoso Retiniano (ORVR) Essentials

Principais estudos na atualidade



BRAVO - Ranibizumab for Macular Edema following Branch Retinal Vein Occlusion, 2011








SCORE
Standard Care versus corticosteroid for Retinal Vein Occlusion Trial, 2010





laser em grid melhor que triancinolona



BVOS - Branch Vein Occlusion Study, 1984

fotocoagulação retiniana



laser macular em grid

aos 3 anos: melhora de 1.33 vs. 0.23 linhas.

Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144

(18) 3222.6363

28 julho 2011

Caso clínico 2

fem, 65a, caucasiana

QD: Depois que a paciente pingou colírio para a pressão do olho a visão do olho esquerdo diminuiu e vem piorando.

AO:   OD: Cx Catarata 1998, Cx Glaucoma 1999, injeção no olho 1999, Cx buraco de mácula 1999
          OE: Cx Catarata 2010
          uso: Azopt AO
AP: ndn
AF: ndn

AV: 20/80 e 20/80


Bio: s alt AO

PIO: 15 e 17 (9:00)

Mapeamento de retina
Clique na imagem para ampliar

Olho direito
vítreo transparente;
papila levemente pálida, bordos nítidos, escavação aumentada
mácula com brilho alterado, presença de mobilização de pigmento com cicatriz circular em região foveal, buraco cicatrizado?
vasos com calibre e tortuosidade aumentados, mantém relação 2:3, ausência de cruzamentos patológicos;
retina aplicada 360, ausência de lesões predisponentes a descolamento de retina.

Olho esquerdo
vítreo transparente;
papila levemente pálida, bordos nítidos, escavação aumentada
mácula com brilho alterado, presença de mobilização de pigmento e aparente inicio de buraco macular.
vasos com calibre e tortuosidade aumentados, mantém relação 2:3, ausência de cruzamentos patológicos;
retina aplicada 360, ausência de lesões predisponentes a descolamento de retina.

HD: Buraco macular cicatrizado em olho direito e inicial em olho esquerdo

Comentários: Sugiro OCT de ambos os olhos para classificar o estágio do buraco segundo Gass.


OCT - Tomografia de Coerência Óptica

Clique na imagem para ampliar



Exame realizado com Tomógrafo Zeiss - Cirrus. Durante o exame houve boa colaboração e transparência de meios ópticos o que permitiu avaliar
adequadamente as áreas de importância.


Olho direito
Cavidade vítrea com ausência de estruturas refletivas.
Interface vítreo-retiniana alterada por doença retiniana.
Depressão foveal presente com assimetria.
Arquitetura das camadas retinianas está desorganizada em região peri e foveal com fibrose e atrofia.
Camada de fotorreceptores (linha IS-OS) presente.
Epitélio pigmentar retiniano e coriocapilar fisiológicos.


Espessura foveal (CFT - Central Foveal Thickness): 238µm


Olho esquerdo
Cavidade vítrea com ausência de estruturas refletivas.
Interface vítreo-retiniana sem alterações.
Depressão foveal presente, diminuída por descolamento subfoveal.
Arquitetura das camadas retinianas está alterada com presença de degeneração cística perifoveal e edema.
Camada de fotorreceptores (linha IS-OS) não visualizada em região subfoveal.
Epitélio pigmentar retiniano e coriocapilar fisiológicos.


Espessura foveal (CFT - Central Foveal Thickness): 337µm


Conclusão
Buraco Macular cicatrizado em olho direito
Buraco macular estagio 1A em olho esquerdo
Observação de olho esquerdo para avaliar regressão. Acompanhamento em  mês com OCT. Se houver progressão discutir vitrectomia com peeling de MLI (membrana limitante interna).


Após 30 dias

OCT - Tomografia de Coerência Óptica
com macular chance analysis



Indicado vitrectomia via pars plana associado a remoção de MLI.


Comentários
classificação do buraco macular segundo Gass


Cortesia de Dr. Ricardo Bernardes Filho

Aguarda cirurgia, novos dados serão mostrados aqui.

Dr. Marcelo Hosoume Retina - UNIFESP Oftalmo Laser - Presidente Prudente - SP Av. Washington Luiz, 1144
(18) 3222.6363